ESQUECEU SUA SENHA

FAZER UMA CONTA NO OBSERVATÓRIO DO SUS?

O OBSERVATÓRIO DO SUS EXISTE PARA PROMOVER O DEBATE NO QUE TANGE O NOSSO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE.

Vamos construir uma saúde universal de verdade sem amarras e desfalques.

FALTAM POUCOS DIAS

NOS AJUDE A CONSTRUIR ESSE DOCUMENTO HISTÓRICO

. .COLABORE COM ESTA JORNADA DO PANORAMA DA SAÚDE NA BAHIA  .

aaaENVIE UMA MENSAGEM OU DEIXE SEU CONTATOaaa

ANTÔNIO, ALBERTO E MARIA, ESTÃO COORDENANDO O QUE SERÁ O "PANORAMA DA SAÚDE NA BAHIA" DENTRO DO FSM 2018, ELES VEM REPRESENTANDO O SINDTEC, (SINDICATO DOS TRABALHADORES DE SINDICATOS E ENTIDADES DE CLASSES DA BAHIA) .

FORAM CONVIDADOS O SINDICATO DOS MÉDICOS DO ESTADO DA BAHIA E O SINDICATO DOS SERVIDORES EM SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA, PARA CEDEREM SEUS DIRETORES E AFILIADOS PARA COLABORAR COM O PANORAMA . HAVERÁ NO PRIMEIRO MOMENTO, A EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO "PANORAMA DA SAÚDE NA BAHIA" O TEMPO RESTATANTE SERÁ O DEBATE COM OS ATORES DO DOCUMENTÁRIO E COVIDADOS DE TODA A BAHIA VIA SKYPE.

APOIO

PARA QUE SERVIMOS

São 3 os princípios doutrinários que conferem legitimidade ao SUS

a universalidade

A universalidade está ligada à garantia do direito à saúde por todos os brasileiros, sem acepção ou discriminação, de acesso aos serviços de saúde oferecidos pelo SUS. O significado deste princípio é

  • extremamente relevante para a consolidação da democracia, pois, partir de então, não apenas as pessoas com carteira assinada (ligadas à previdência) poderiam contar com tais serviços, mas toda a população.

O Ministério da Saúde

entrega a primeira cartilha do Sistema Único de Saúde - SUS, compreendendo suas doutrinas e

  • seus princípios, inspirados na Constituição e na Lei Orgânica da Saúde. Estão aqui consagradas certamente as aspirações de milhões de brasileiros que desejam um SUS que resgate a dignidade do setor saúde em todos os níveis, com descentralização, hierarquização, universalização e certamente com eficiência e resolutividade. Para elaborar este documento a Secretaria Nacional de Assistência à Saúde -SNAS recorreu à participação de instituições e profissionais de saúde que se empenharam em definir, numa linguagem simples e direta, o que devemos fazer para tornar o SUS modelo aplicado de saúde, confiável e com credibilidade. Foram valiosas as sugestões recolhidas do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde - CONASS e do Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde – CONASEMS, bem como das equipes mobilizadas pela própria Secretaria para que houvesse um consenso do mais amplo possível e a deliberação de que precisamos avançar para darmos consistência às ações de saúde. A primeira cartilha consagra “Doutrinas e Princípios” e a segunda, “Planejamento Local”, a terceira, “Nomenclaturas, Parâmetros e Instrumentos de Planejamento”, a Quarta, “Comunicação Visual do SUS”. Desta forma, o Ministério da Saúde coloca à disposição de todos os integrantes do SUS o conjunto inicial das ações, atitudes e atividades que necessariamente serão implantadas. Esta missão requer de todos nós um esforço redobrado, principalmente dos que estão nas atividades de ponta. A saúde desceu no Brasil a níveis de desconforto e desesperança. Cada mudança que operarmos no âmbito do SUS será um gesto de compreensão e grandeza para retirá-la da inação e da ineficiência. Aos estados e municípios, aos profissionais de saúde, às instituições privadas, filantrópicas e de ensino, todos somos parceiros do SUS para promovermos a modernidade do Sistema com mais ações do que com palavras. Brasília, Dezembro de 1990.

    Seu nome

    Seu e-mail (obrigatório)

    Whatsapp

  • LIGUE 136

a equidade

Como princípio complementar ao da igualdade significa tratar as diferenças em busca da igualdade. Assim, este princípio veio ao encontro da questão do acesso aos serviços, acesso muitos

  •  neste sentido, fala-se em prioridade no acesso às ações e serviços de saúde por grupos sociais considerados mais vulneráveis do ponto de vista socioeconômico.

APARTIR DE ENTÃO, OS MEIOS E O FIM

Muito caminhos são feitos para entender os caminhos legais do SUS

A Constituição definiu

que, quando por insuficiência do setor público, for necessário a contratação de serviços privados, isso deve se dar sob três condições: 1ª - a celebração

  • de contrato, conforme as normas de direito público, ou seja, interesse público prevalecendo sobre o particular; 2ª - a instituição privada deverá estar de acordo com os princípios básicos e normas técnicas do SUS. Prevalecem, assim, os princípios da universalidade, eqüidade, etc., como se o serviço privado fosse público, uma vez que, quando contratado, atua em nome deste; 3ª - a integração dos serviços privados deverá se dar na mesma lógica organizativa do SUS, em termos de posição definida na rede regionalizada e hierarquizada dos serviços. privadoDessa forma, em cada região, deverá estar claramente estabelecido, considerando-se os serviços públicos e privados contratados, quem vai fazer o que, em que nível e em que lugar. Dentre os serviços privados, devem ter preferência os serviços não lucrativos, conforme determina a Constituição. Assim, cada gestor deverá planejar primeiro o setor público e, na seqüência, complementar a rede assistencial com o setor privado, com os mesmos concertos de regionalização, hierarquização e universalização. Torna-se fundamental o estabelecimento de normas e procedimentos a serem cumpridos pelos conveniados e contratados, os quais devem constar, em anexo, dos convênios e contratos.

  • Seu nome

    Seu e-mail (obrigatório)

    Whatsapp

a integralidade

Tal conceito parte da ideia de que existem várias dimensões que são integradas envolvendo a saúde dos indivíduos e das coletividades. Assim, o SUS procura ter ações contínuas no sentido,

  • da proteção, da cura e da reabilitação.

Entre as diretrizes

políticas consolidadas pela nova Constituição no cenário nacional estão os fundamentos de uma

  • radical transformação do sistema de saúde brasileiro. O que levou os constituintes a proporem essa transformação foi o consenso, na sociedade, quanto à total inadequação do sistema de saúde caracterizado pelos seguintes aspectos, entre outros:
  • • um quadro de doenças de todos os tipos condicionados pelo tipo de desenvolvimento social e econômico do país e que o velho sistema de saúde

  • não conseguia enfrentar com decisão;

  • • completa irracionalidade e desintegração das unidades de saúde, com sobre-oferta de serviços em alguns lugares e ausência em outros;

  • • excessiva centralização implicando por vezes em impropriedade das decisões pela distância de Brasília dos locais onde ocorrem os problemas;

  • • recursos financeiros insuficientes em relação às necessidades de atendimento e em comparação com outros países;

  • • desperdício dos recursos alocados para a saúde, estimado nacionalmente em, pelo menos 30%, produzido por incompetência gerencial;

  • • baixa cobertura assistencial da população, com segmentos populacionais excluídos do atendimento, especialmente os mais pobres e nas regiões mais carentes;

  • • falta de definição clara das competências dos vários órgãos e instâncias políticoadministrativas do sistema, acarretando fragmentação do processo decisório e descompromisso com as ações e falta de responsabilidade com os resultados;

  • • desempenho desordenado dos órgãos públicos e privados conveniados e contratados, acarretando conflito entre os setores público e privado, superposição de ações, desperdícios de recursos e mau atendimento à população;

  • • insatisfação dos profissionais da área da saúde que vêm sofrendo as conseqüências da ausência de uma política de recursos humanos justa e coerente;

  • • insatisfação da população com os profissionais da saúde pela aparente irresponsabilidade para com os doentes, greves freqüentes, freqüentes erros médicos e corporativismo se sobrepondo à saúde do povo; •

  • baixa qualidade dos serviços oferecidos em termos de

  • equipamentos e serviços profissionais;

  • • ausência de critérios e de transparência dos gastos públicos, bem como de participação da população na formulação e gestão das políticas de saúde;

  • • falta de mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação dos serviços;

  • • imensa preocupação e insatisfação da população com o atendimento à sua saúde. À partir desse diagnóstico e de experiências isoladas ou parciais acumuladas ao longo dos últimos 10 anos, e especialmente baseando-se nas propostas da 8ª Conferência Nacional de Saúde realizada em 1986, a Constituição de 1988 estabeleceu pela primeira vez de forma relevante, uma seção sobre a saúde que trata de três aspectos principais: Em primeiro lugar incorpora o conceito mais abrangente de que a saúde tem como fatores determinantes e condicionantes o meio físico (condições geográficas, água, alimentação, habitação, etc.); o meio sócio-econômico e cultura (ocupação renda, educação, etc.); os fatores biológicos (idade, sexo, herança genética, etc.); e a oportunidade de acesso aos serviços que visem a promoção, proteção e recuperação da saúde.casa_propria Isso implica que, para se ter saúde são necessárias ações em vários setores, além do Ministério da Saúde e das secretarias de saúde. Isto só uma política governamental integrada pode assegurar. Em segundo lugar, a Constituição também legitima o direito de todos sem qualquer discriminação às ações de saúde em todos os níveis, assim

  • Fruit Dropping into Water --- Image by © Lew Robertson/Corbiscomo, explicita que o dever de prover o pleno gozo desse direito é responsabilidade do Governo, isto é, do poder público. Isto significa que, a partir da nova constituição, a única condição para se ter direito de acesso, aos serviços e ações de saúde, é precisar deles. Por último, a Constituição estabelece o Sistema Único de Saúde—SUS, de caráter público, formado por uma rede de serviços regionalizada, hierarquizada e descentralizada, com direção única em cada esfera de governo, e sob controle dos seus usuários. Os serviços particulares quando conveniados e contratados, passam a ser complementares e sob diretrizes do Sistema Único de Saúde. Ainda que esse conjunto de idéias, direitos, deveres e estratégias não possam ser implantados automaticamente e de imediato, o que deve ser compreendido é que a implantação do SUS tem por objetivo melhorar a qualidade da atenção à saúde no País, rompendo com um passado de descompromisso social e a velha irracionalidade técnico-administrativa, e é a imagem ideal que norteará o trabalho do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais e municipais. Para isso, e necessário que se entenda a lógica do SUS, como ele deve ser planejado e funcionar para cumprir esse novo compromisso que é assegurar a todos, indiscriminadamente, serviços e ações de saúde de forma equânime, adequada e progressiva.

  • Seu nome

    Seu e-mail (obrigatório)

    Whatsapp

  • O Pacto pela Vida está constituído por um conjunto de compromissos sanitários, expressos em objetivos de processos e resultados e derivados da análise da situação de saúde do País e das prioridades definidas pelos governos federal, estaduais e municipais.

    Significa uma ação prioritária no campo da saúde que deverá ser executada com foco em resultados e com a explicitação inequívoca dos compromissos orçamentários e financeiros para o alcance desses resultados.

BLOG DO OBSERVATÓRIO DO SUS

SEU INFORME DIÁRIO DE INFORMAÇÃO DO SUS

A shantala é uma prática de massagem para bebês e crianças, composta por uma série de movimentos pelo corpo, que permite o despertar e a ampliação do vínculo cuidador e bebê. Além disso, promove a saúde integral, reforçando vínculos afetivos, a cooperação, confiança, criatividade, segurança, equilíbrio físico e emocional. Além disso, harmoniza e equilibra os
A Naturopatia é um sistema terapêutico que utiliza métodos e recursos naturais, para apoio e estímulo à capacidade intrínseca do corpo de recuperação da saúde.
 A ayverda é considerada uma das mais antigas abordagens de cuidado do mundo e significa Ciência ou Conhecimento da Vida. Nascida da observação, experiência e o uso de recursos naturais para desenvolver um sistema único de cuidado, este conhecimento estruturado agrega em si mesmo princípios relativos à saúde do corpo físico, de forma a não
A reflexoterapia ou reflexologia, como também é conhecida, é uma prática que utiliza estímulos em áreas reflexas com finalidade terapêutica. Parte do princípio que o corpo se encontra atravessado por meridianos que o dividem em diferentes regiões. Cada uma destas regiões tem o seu reflexo, principalmente nos pés ou nas mãos. São massageados pontos chave
Trabalha o praticante em seus aspectos físico, mental, emocional, energético e espiritual visando à unificação do ser humano em Si e por si mesmo. Constitui-se de vários níveis, sendo o Hatha Yoga um ramo do Yoga que fortalece o corpo e a mente através de posturas psicofísicas (ásanas), técnicas de respiração (pranayamas), concentração e de
Biodança é um sistema de integração e desenvolvimento humano, um sistema baseado em experiências do crescimento pessoal induzido pela música, movimento e emoção. Esta terapia utiliza exercícios e músicas organizados, a fim de aumentar a resistência ao estresse, promover a renovação orgânica e melhorar a comunicação. Sua metodologia é induzir experiências de integração por meio

TV DO OBSERVATÓRIO DO SUS

DA SÉRIE "POETAS PELAS DIRETAS JÁ!
O SUS SOB ATAQUE
IMPACTOS DA PRIVATIZAÇÃO
FALA JAIRNILSON!
RAUL EM ESTUDO
DEFESA DO SUS É LUTA!
NELSON MACCA, REAJA!
EM DEFESA DA MATA ATLÂNTICA URBANA
FEBRE AMARELA, PERIGO!
BICHO ARTISTA, ARTE DO ARTISTA
GERSON MASCARENHAS E SUA HISTÓRIA
RAIMUNDO SODRÉ EM DEFESA DO SUS
MATA INTEIRA, DEFESA DO MEIO AMBIENTE
EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE, PRIMEIRA TURMA
O SUS SOB ATAQUE
PROFISSÃO MÉDICA
DEFESA DO SUS É LUTA!

Saiba Mais +26 Janeiro 2018 By admin in SUS

Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde

  Em virtude da crescente demanda da população brasileira, por meio das Conferências Nacionais de Saúde e das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) aos Estados membros para formulação de políticas visando a integração de sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos (também chamados de Medicina Tradicional e Complementar/Alternativa MT/MCA ou Práticas Integrativas e Complementares)
Saiba Mais +01 julho 2016 By admin in SUS

Ataque ao SUS com Jairnilson Paim

AO VIVO do dia 01 de julho de 2016   Ato de lançamento do movimento “Médicos pela Democracia. que reune médicos baianos que defendem o estado democrático de direito e o Sistema Único de Saúde. MANIFESTO DO MOVIMENTO “MÉDICOS PELA DEMOCRACIA” “Médicos pela Democracia” é um movimento de médicos da Bahia e de vários estados
Saiba Mais +28 outubro 2015 By admin in BLOG, SUS

O Ministério da Saúde

Chamada para Seleção de Projetos de Reabilitação Psicossocial: Fortalecimento do Protagonismo de Usuários e Familiares, Trabalho, Cultura e Inclusão Social da Rede de Atenção Psicossocial – 2015. O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas/DAPES/SAS, divulga abaixo a LISTA FINAL que apresenta os estados e municípios aptos
Saiba Mais +18 outubro 2015 By admin in SUS

Denuncie aqui

Aqui neste canal você tem total discrição, deixe sua denuncia que encaminharemos sem que ninguém saiba que foi você.
Saiba Mais +15 outubro 2015 By admin in OBERVATÓRIO NO FSM 2018, SUS

REGIONALIZAÇÃO OU CONSÓRCIOS PÚBLICOS?

O que são os Consórcios Públicos? Quantos municípios (não os que te contaram) estabeleceram consórcios e tiveram sucesso na prestação de ações e serviços de saúde para a população? Porque o atual Governo da Bahia deixou de lado todos os outros mecanismos/instrumentos relacionados a Regionalização das ações e serviços de saúde, como o COAP, PPI,
Saiba Mais +15 outubro 2015 By admin in SUS

CARTA DA FRENTE DEMOCRÁTICA EM DEFESA DO SUS AOS DELEGADOS DA 9ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE

A Frente Democrática em Defesa do SUS – Bahia é uma articulação permanente de organizações representativas dos movimentos sociais e de pessoas que comungam do mesmo projeto: a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) e a efetivação do direito à saúde no Brasil, conforme foi estabelecido na Constituição Federal de 1988. O direito à
Saiba Mais +05 outubro 2015 By admin in SUS

COMPLEMENTARIEDADE DO SETOR PRIVADO

A Constituição definiu que, quando por insuficiência do setor público, for necessário a contratação de serviços privados, isso deve se dar sob três condições: 1ª – a celebração de contrato, conforme as normas de direito público, ou seja, interesse público prevalecendo sobre o particular; 2ª – a instituição privada deverá estar de acordo com os
Saiba Mais +05 outubro 2015 By admin in SUS

O QUE É O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS?

É uma nova formulação política e organizacional para o reordenamento dos serviços e ações de saúde estabelecida pela Constituição de 1988. O SUS não é o sucessor do INAMPS e nem tampouco do SUDS. O SUS é o novo sistema de saúde que está em construção.
Saiba Mais +05 outubro 2015 By admin in BLOG, SUS

O QUE HÁ DE NOVO NA SAÚDE?

Entre as diretrizes políticas consolidadas pela nova Constituição no cenário nacional estão os fundamentos de uma radical transformação do sistema de saúde brasileiro. O que levou os constituintes a proporem essa transformação foi o consenso, na sociedade, quanto à total inadequação do sistema de saúde caracterizado pelos seguintes aspectos, entre outros: • um quadro de

Bom Para Todos: SUS – O maior sistema público de saúde do mundo.

Bom Para Todos: SUS – o maior sistema público de saúde do mundo 1/3
Bom Para Todos: SUS – o maior sistema público de saúde do mundo 2/2
Bom Para Todos: SUS – o maior sistema público de saúde do mundo 3/2

Copyright © Observatório do SUS 2014 - Todos os Direitos Reservado | Desenvolvido por Poeta Alberto Lima.

TOP